Pular para o conteúdo principal

Série gay independente mostra a vida de soropositivos e os perigos da AIDS






No dia 21 de outubro começou a ser exibida na internet, a webserie “Positivos”, uma produção independente e realizada sem recursos ou patrocínio que tem como tema principal a AIDS, a partir da história de um grupo de quatro jovens que são soropositivos e dividem um apartamento. A trama tem temática gay e se passa no Rio de Janeiro.


A ideia do projeto é alertar a sociedade do perigo da AIDS num período em que existe a falsa sensação de que a epidemia da doença foi controlada e faz muitas pessoas relaxarem quanto aos cuidados preventivos, como o uso da camisinha, por exemplo. Segundo dados oficiais, só no Brasil são mais de 36 mil novos casos por ano e mais de 11 mil óbitos em consequência do vírus. Até junho de 2012, mais de 650 mil diagnósticos de HIV no país foram confirmados.


Na sinopse da trama, Hernandes (Carlo Porto) foi contaminado nos anos 90, período crítico da epidemia. Casado e com um filha, se separou da mulher quando começou a se sentir atraído por homens. A partir daí se envolve com um garoto de programa, Ícaro (Tunai Menandro) que mais tarde descobre ser portador do vírus e passa a ter um comportamento de revolta, fazendo questão de transar sem preservativo para retransmitir a doença para outras pessoas. Hernandes tenta controlar as atitudes do garoto e acaba virando uma espécie de consultor nas redes sociais, onde conhece Guilherme (Hugo Carvalho) e Cristiano (Gustavo Scherer) que acaba indo morar com eles.


 Neste ponto, os quatro passam a mostrar sua relação com o vírus e que é possível viver bem com ele.
O enredo ainda aborda histórias como a de Vanessa (Desirée Raian) que descobriu ser portadora logo após o nascimento do filho, Renato (Luan Schmitz) e sofre por ter contaminado a criança, hoje um adolescente. E de João (Donni Rodrigues), um hétero que procura o grupo temendo que amigos e familiares descubram seu diagnóstico. Ele esta prestes a se casar com Laila (Diana Werneck) que sonha em ter um filho e exige do namorado que possam transar sem camisinha. João teme contaminá-la e passa a viver um dilema, temendo perder seu grande amor.


“Positivos” mistura drama e comédia e muitos entrechos inspirados na vida real, uma vez que os personagens remetem suas vidas a evolução do tratamento e as consequências que a doença pode causar. Programa para ter 10 episódios, exibidos semanalmente, a série terá uma programação especial na semana mundial de combate a AIDS.


O elenco é formado por 13 atores que trabalharam sem remuneração e a equipe técnica também foi voluntária, uma vez que o projeto foi desenvolvido a partir de contato do idealizador Daniel Sena que convidou os envolvidos para fazer parte produção. O equipamento foi cedido pelo estudante de cinema da PUC, Mateus Cabral que colaborou na finalização e concepção geral. A trilha sonora da série é composta por músicas de artistas independente, que gentilmente cederam as canções.

Para mais informaçoes da série, além das redes sociais já esta no ar o site oficial www.seriepositivos.com e um clipe de lançamento com uma prévia da história.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…