Pular para o conteúdo principal

Exposição


Está acontecendo ainda na Fundação Cultural Badesc, as exposições Objecto Quase, de Gabriela Caetano, e Meia Paisagem e Meia, de Claudia Zimmer. As duas mostras se encontram conceitualmente: a fotografia é uma linguagem comum nas obras, que cultivam a reflexão sobre o ver e o não ver.
Gabriela Caetano, 22 anos, é formanda em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), participou de exposições coletivas, mas experimenta a primeira individual. Em Objecto Quase, ela leva a fotografia para outros suportes, como vídeo, tecido, transparências e objetos.“Há alguns anos, Gabriela vem criando possibilidades para a imagem dos galhos de uma árvore que lhe insiste a observação. A partir de uma fotografia, num procedimento recursivo, a artista constrói e desconstrói, remonta sensivelmente a imagem, transformando em objetos estéticos. São objetos/imagem, fragmentos de um registro fotográfico que, ao final, nos revelam e sutilmente convidam a pensar em outros conceitos que não só o próprio registro em si”, escreveu sobre o trabalho de Gabriela, Francine Goudel, que é graduanda em Artes Plásticas pela Udesc.
Claudia Zimmer, 40 anos, tem graduação em artes plásticas pela Udesc e mestrado em Poéticas Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Suas fotografias possuem relação com a semi-visibilidade. As fotos, em sua maioria, são impressas em papel-jornal, mas há também uma imagem sobreposta com uma chapa de acrílico.– As interposições na captura das imagens passam a ser uma espécie de filtro com o qual a artista traduz espessuras e opacidades do seu olhar. As caixas, montagens, elementos de interposição e as passagens da imagem nos suportes de tiragem, exploram os dispositivos expositivos – reflete Maria Ivone dos Santos, artista plástica, doutora em Artes pela Universidade de Paris e professora do Intituto de Artes da Ufrgs.

Serviço:

Onde: Fundação Cultural Badesc (na Rua Visconde de Ouro Preto, 216, Centro, Florianópolis)
Visitação: até 29 de julho, de segunda a sexta, das 8 às 18h
Ingresso: gratuito
Via: ClicRBS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…