Pular para o conteúdo principal

RONDA GRUPO DE DANÇA E TEATRO apresenta





Socorro é um trabalho de dança contemporânea, onde o corpo se movimenta em diálogo com a ação e tece com a palavra uma dramaturgia para a dança. O espetáculo, com duração aproximada de 60 minutos, é baseado livremente na obra do autor austríaco Peter Handke, Gritos de Socorro (Hilferufe), e, traça também o intercâmbio entre a dança contemporânea e o Teatro de Formas Animadas, numa construção híbrida que experimenta o encontro entre as linguagens.


“Acreditamos que pesquisas desta natureza, que abordam o encontro entre diferentes linguagens artísticas, trazem para o espectador um novo olhar crítico e novas experiências estéticas”, referencia a diretora Zilá Muniz.

A produção da montagem é do Ronda Grupo de Dança e Teatro, com concepção e direção de Zilá Muniz em colaboração com os intérpretes-criadores Egon Seidler, Elisa Schmidt, Karina Degregório, Paula Bittencourt e Vicente Mahfuz, além da consultoria em Formas Animadas de Valmor Níni Beltrame e cenário de Fernando Marés.

A palavra Socorro faz parte um lugar onde as situações de emergência acontecem e chegam a acontecer devido a escolhas. “(...) descobrir a palavra socorro através do labirinto de um grande número de frases e palavras, (...) elas exprimem foneticamente a necessidade de socorro, fora de toda situação determinada, real” (Peter Handke).

O Ronda Grupo de Dança e Teatro surgiu em 1993 na cidade de Florianópolis. Desde então vem desenvolvendo um trabalho de pesquisa e investigação em dança contemporânea e participando de eventos na cidade e fora, em mostras e festivais, produzindo também a Série Mergulho no Palco, que aconteceu ao longo do ano de 2006 e 2007, no palco do Teatro Ademir Rosa (CIC). Em 2005, sob direção de Zilá Muniz se formou um grupo de pesquisa e criação em dança contemporânea, originando o espetáculo Movimento para 6 (2006), “Corpo-lugar” (2007), Siga o Risco (2008) e Socorro (2008).


O espetáculo Socorro foi montado por meio de um dos prêmios do Concurso de Artes Cênicas n. 001/FCFFC/2008, promovido pela Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes por meio da Prefeitura Municipal de Florianópolis.

SINOPSE

O corpo, em Socorro, está sempre no limiar da necessidade de Socorro, mas a palavra não acontece, o conflito está lá e surge como uma condição humana. Ser humano significa realizar-se, e de fato é isso que impede que os seres humanos convivam uns com os outros com “boa vontade”. Não podemos fazê-lo por sermos humanos, perdemos a força de nos mantermos juntos e assim... a solidão.

FICHA TÉCNICA

Realização: Ronda Grupo de Dança e Teatro
Direção/Concepção: Zilá Muniz
Intérpretes-criadores: Egon Seidler
Elisa Schmidt
Karina Degregório
Paula Bittencourt
Vicente Mahfuz
Consultoria em Formas Animadas: Valmor Níni Beltrame
Bonecos: Marcos Oliveira
Cenário: Fernando Marés
Iluminação: Camila Ribeiro
Irani Apolinário
Operação de luz: Greice Miotello
Figurino: Zilá Muniz
Trilha sonora: Javier Venegas
Zilá Muniz
(músicas de Steve Reich)
Material gráfico: Lena Muniz
Produção: Egon Seidler (48 - 84125624).

SERVIÇO

O quê: Socorro.
Onde: Teatro da UFSC (Praça Santos Dumont – Campus da UFSC/Trindade).
Quando: 13, 14 e 15/11, sempre as 20h00.
Quanto: gratuito - Mostra 30 anos do Teatro da UFSC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…