Pular para o conteúdo principal

Lançamento do livro O Anjo ao Contrário, de André Ramos com pinturas originais de Nadir Ferrari



 A Fundação Cultural Badesc lança na quarta-feira, dia 9, às 19h30, o livro O Anjo ao Contrário, de André Ramos e Nadir Ferrari. Com uma edição luxuosa, o livro exibe música e paisagem. São poemas inéditos de André Ramos com pinturas originais de Nadir Ferrari. Mas os poemas não foram escritos para descrever as pinturas. Nem as pinturas foram feitas para ilustrar os poemas. O Anjo ao Contrário contém duas obras independentes que foram unidas em livro. Os poemas e as pinturas se permeiam como dois líquidos. André faz uma poesia rimada, coloquial, sobre o cotidiano e Nadir exibe uma pintura minimalista, caligráfica, nascida da tradição japonesa do sumi-ê. "Os traços suaves e sóbrios da arte milenar japonesa têm, em nuances de negro, o movimento necessário para ora contrastar, ora acentuar a delicadeza, a densidade ou a estranheza de um dos muitos poemas deste livro cosmopolita", escreve Tânia Piacentini na apresentação da obra.

André Ramos nasceu em Lages, mas passou a maior parte de sua vida em Florianópolis, onde veio morar ainda criança com seus pais e quatro irmãos. Graduou-se em agronomia pela Universidade Federal de Santa Catarina, onde atua, desde 1992, como professor e pesquisador da Divisão de Genética. André publicou dois livros de poesia: Lata de Banha, pela prefeitura de Lages, em 1986, e De Nariz na Vidraça, pela Editora da UFSC, em 1994, ambos com suas edições esgotadas. Em vários de seus poemas, expressa a influência forte e mesclada das terras onde viveu: os campos de Lages, a Ilha de Santa Catarina, Nova Scotia no Canadá e Bordeaux na França.
Nadir Ferrari nasceu em Arapongas, Paraná e também vive em Florianópolis. Pinta desde os 11 anos de idade. Fez graduação na Universidade Estadual de Londrina, mestrado na Federal do Paraná, doutorado em Oxford, e fez uma carreira científica e docente na UFSC, como geneticista, entremeando incursões na literatura e nas artes plásticas. Durante uma licença da UFSC, no início da década de 90, atuou de forma profissional com pintura, gravura e um pouco de literatura, em Rennes, França. Ao se aposentar, em 2006, retornou de forma mais regular a pintura, leitura e escrita, o que possibilitou este projeto com André Ramos.

Serviço:

9 de Dezembro de 2009 - 19h30

Fundação Cultural Badesc

Rua Visconde de Ouro Preto, 216
Centro - Florianópolis/SC
Cep: 88020-040
fundaçãocultural@badesc.gov.br
Fone: (48) 3224 8846


Horário de Funcionamento
Segunda a sexta, das 8 às 18h.
Todas as atividades são gratuitas


Fonte: Blog da Fundação BADESC

Comentários

Juliana Sell disse…
Oi Rafa,
Coloca também a divulgação do Auto da Conquista. Mandei a divulgação por e-mail. bjoss.
Juli

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…