Pular para o conteúdo principal

Menos Reclamação, Mais ação

Cada vez mais escutamos as pessoas reclamarem do ambiente de trabalho.Ora o chefe que é um autoritário, ora é o colega que atrapalha, ora são as condições que não contribuem.Cotidianamente ouvimos mais e mais pessoas tecerem mais e mais reclamações , que parecem nunca ter fim. Pense em seu círculo social: quantas pessoa você já ouviu reclamar?
A verdade é que nessa onda da reclamação, pouco ou nada aparece sobre o que tem sido feito pela própria pessoa na construção de uma melhor relação com seu trabalho.
São as atribuições de sua função que lhe desagradam? São as relações com os colegas? O que de efetivo já foi feito para modificar a situação? No final das contas, achando que estamos só expondo os acontecimentos vamos, na verdade, protelando a ação.

Além disso, reclamar faz também com que tudo ligado ao trabalho se torne aversivo.Ir todos os dia para um local em que nos sentimos mal, nos faz sentir ainda por. Uma coisa alimenta a outra.Algo que de início já não nos satisfazia, à medida que reclamamos sem nada fazer, acaba por nos afogar em mais insatisfação. E não é raro que desta maneira as relações piorem, nossa produtividade caia, nos sintamos ainda mais insatisfeitos e até adoeçamos. Nosso corpo grita: Preciso sair desse lugar?

O que lhe incomoda hoje em seu trabalho? Pare e reflita mais seriamente sobre isso. Muitas vezes colocamos o problema no outro, dizemos que se ele mudasse tudo seria melhor. Esperar pelo outro nesse tipo de situação é frustar nossas expectativas e ir por um caminho que nos manterá no mesmíssimo lugar. Investir em sua qualificação, manter uma postura mais reservada ou pelo contrário se enturmar mais, compenetrar-se em fazer um bom trabalho, ser mais participativo, procurar por outras vagas que atendam às suas necessidades...Existem muitas possibilidades que somente você pode tomar nas mãos para ter uma vida profissional mais plena e realizada.

Nem sempre encontraremos grandes amigos no ambiente de trabalho, nem sempre ouvirão nossas ideias como as mais adequadas, nem sempre as pessoas estarão abertas a considerar o nosso lado. E isso não pode nos destruir. Precisamos tirar das dificuldades lições para nosso crescimento, no sentido mais amplo. Deixar de alimentar o fogo da discórdia, do ressentimento, da reclamação dentro de nós já é um importante passo para deixarmos de nos envenenar com emoções que não nos favoreçam.

Sem esses venenos enxergamos melhor o que almejamos, o que nos é ofercido e podemos melhor planejar que caminhos trilhar. Talvez nossas reflexões culminem em pequenas mudanças, como nos atentarmos mais no que precisamos fazer e menos nos comentários dos outros, ou resultem em grandes guinadas como a mudança de emprego, ou de profissão ou do nosso modo de viver a vida.

Vamos começar agora mesmo a refletir, a exercitar o autoconhecimento e partir para a ação consciente em busca do nosso bem-estar. Menos reclamação, mais ação!

Juliana Garcia
Psicóloga, psicodramatista e aromaterapeuta. trabalha também em projetos sociais como facilitadora de grupos de mulheres e de reflexão sobre o feminino em Belo Horizonte interior de MG.


contato: julianaggpsi@gmail.com

via: Personare

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…