quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Aeródromo do Campeche pode se tornar patrimônio da humanidade


Projeto para tombamento universal da rota da Aéropostale está em estudo e inclui passagem dos pilotos franceses por Florianópolis


Florianópolis possui na região do Campeche um dos vestígios mais preservados da atuação da Compagnie Génerale Aéropostale no Brasil, empresa de correio aéreo francesa para a qual trabalhou o piloto Antoine de Saint-Exupéry. O registro dessa passagem pela comunidade do Sul da Ilha de Santa Catarina pode se tornar patrimônio histórico universal com o tombamento da rota intercontinental feita pelo famoso aviador e escritor francês, autor do livro O Pequeno Príncipe. O projeto está na pauta da visita do representante da comissão superior dos monumentos históricos e Presidente do Colégio de Expertise do Patrimônio Aeronáutico da França, Max Armanet, que estará na comunidade nesta terça-feira (29/12), às 15h
Armanet vai conhecer o patrimônio histórico aeronáutico do Campeche e o lugar onde fica o casarão de passagem dos pilotos da extinta companhia francesa, chamado de “Popote” pelos pescadores locais. Também conhecerá o projeto “De Saint-Exupéry a Zeperri”, que propõe o restauro do velho casarão e instalação de um memorial da companhia de aviação. O imóvel é a única estrutura ainda de pé, remanescente da atuação da Aéropostale no Brasil, cujas escalas iam de Natal a Pelotas. O terreno abrigava ainda um hangar, transferido para o aeroporto Hercílio Luz, e redes de comunicação sem fio que foram desativadas.
A vinda do especialista francês – que também é diretor do Jornal Libération e Presidente da Comissão do Patrimônio do Aeroclube da França – foi articulada pelo governador Luiz Henrique da Silveira e prefeito Dário Berger durante viagem internacional à Europa, em outubro. A ideia é promover a recuperação de todo o complexo ainda existente, e que integra o antigo campo de pouso do Campeche, transformando a área num parque urbano para a cidade.

Patrimônio universal

Um projeto para tombamento da “Ligne” – a rota intercontinental da Aéropostale – como patrimônio imaterial da humanidade está em estudo para ser apresentado à Organização das Nações Unidas para Ciência, Educação e Cultura (Unesco) e pode incluir a região do Campeche, não apenas pela estrutura física ainda existente no bairro como também pela convivência amigável surgida entre os pilotos e moradores da comunidade.
A Compagnie Génerale Aéropostale foi pioneira no serviço de correio aéreo entre a Europa, África e América do Sul, contando com o trabalho de pilotos veteranos da Primeira Guerra Mundial para acelerar a comunicação entre os países e romper as fronteiras entre os continentes. A importância da empresa para o desenvolvimento da aviação internacional, aliada à grandiosidade dos feitos dos pilotos que arriscavam suas vidas nos primórdios da aviação, ganhou mais visibilidade pela obra de um deles, que também foi escritor: Antoine de Saint-Exupéry, autor do livro Pequeno Príncipe, entre outros sucessos editoriais.
O próprio Saint-Exupéry menciona Florianópolis no livro Vôo Noturno (1931). Ele, que foi o mais célebre dos pilotos, era conhecido pelos pescadores como “Zeperri”, devido à dificuldade que os moradores, descendentes de açorianos, tinham de pronunciar o sobrenome francês. Entre as amizades do escritor na comunidade, uma tornou-se especial. Manoel Rafael Inácio, o “seo” Deca, guardou na lembrança as passagens do piloto pela região. A memória dessa amizade virou um livro, escrito por Getúlio Inácio, filho do pescador.
O Campeche foi palco de várias aventuras dos aviadores da Aéropostale entre as décadas de 1920 e 1930, guardando traços da inusitada convivência dos pilotos franceses com pescadores ilhéus. Os ases da pilotagem, tais como Jean Mermoz, Henri Guillaumet, Saint-Exupéry e outros, tiveram passagens pela Ilha de Santa Catarina registradas aleatoriamente, mas eternizadas em livros, como as memórias de Paul Vachet, em Avant les Jets (1964), onde o autor conta sobre a compra do terreno de aviação e a relação com os “compadres” catarinenses.

Pilotos e pescadores

A agenda de Max Armanet em Florianópolis inclui sobrevôo para observação da Ilha, visita ao Campeche e gravação de depoimento para um vídeo documentário, que será exibido no festival de filmes latino-americanos de Toulouse, na França, em março, integrando o projeto “De Saint-Exupéry a Zeperri”. A proposta contempla ainda o restauro do casarão “Popote” para implantação do memorial “Pilotos e Pescadores”, e instalação da exposição permanente “Memória da Aéropostale”.
O projeto de restauro do imóvel, idealizado pelos arquitetos Lilian Mendonça, Juliana Ramos e Peter Widmer, foi aprovado pelo Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis (Ipuf), e agora será encaminhado ao Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/SC) para avaliação. O financiamento da obra deverá contar com recursos da iniciativa privada, por meio da Lei Rouanet de incentivo à cultura, via Ministério da Cultura (Minc). Depois de restaurado, o imóvel será administrado pela Fundação Cultural de Florianópolis Franklin Cascaes (FCFFC).
A iniciativa conta com apoio da Prefeitura de Florianópolis, Governo do Estado de Santa Catarina, Succession Saint-Exupéry e Air France, empresa que incorporou a Aéropostale. Já a realização do documentário é coordenada por Branca Regina Rosa, com participação de Delmar Gularte nas filmagens. A coordenação do projeto “De Saint-Exupéry a Zeperri” está sob responsabilidade de Mônica Cristina Corrêa, doutora em Língua e Literatura Francesa pela USP.

Via: FCC

Um comentário:

Mônica disse...

O Blog está lindo e super interessante. Parabéns Rafael por essa iniciativa tão bacana!!
Bjos dos Mútuos de Itajaí