Pular para o conteúdo principal

Cia Mútua apresenta: Um Príncipe Chamado Exupéry,



A Cia Mútua, de Itajaí, estará se apresentando com o espetáculo "Um Príncipe Chamado Exupéry" em 22 cidades do estado de Santa Catarina, através do no projeto Emcena Catarina 2011, Circuito Catarinense de Teatro e Dança, realizado pelo SESC-SC.
Serão duas etapas, uma em março e a outra em julho. A primeira apresentação do circuito será em Florianópolis, no dia 10 de março, no Teatro SESC-Prainha, às 21 horas. Depois o espetáculo segue para Biguaçu (11), Vidal Ramos (12), Rio do Sul (13), Jaraguá do Sul (15), Gaspar (16), Blumenau (17), Brusque (18), São Bento do Sul (20), Joinville (21), Itapoá (22), Barra Velha (23) e Itajaí (24). Mais informações sobre locais e horários estão no blog do SESC-SC http://blogs.sesc-sc.com.br/cultura/2011/03/um-principe-chamado-exupery/

Sinopse

Exupéry é um jovem e destemido aviador. Ele e seus amigos, que juntos formam “os cavaleiros do céu”, enfrentam o mar, o céu e o ar; a noite, o deserto, as montanhas e as tempestades para cumprir seu ofício: transportar o correio aéreo. Essa vida de perigo, mistério e aventura inspira Exupéry a começar a escrever sua obra.

Espetáculo de teatro de animação inspirado na vida do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, entre 1926 e 1944, quando antes de ter-se tornado conhecido mundialmente por seu romance “O Pequeno Príncipe”, Saint-Exupéry trabalhou para a Companhia de Correio Aéreo Aéropostale. E numa época em que os aviões eram quase de papel, entregava cartas em escalas de vôos diários, que se estendiam pela Europa, África e América do Sul. Uma de suas escalas era na praia do Campeche, em Florianópolis, local onde ele ficou eternizado como “Zéperri”.



Ficha Técnica

Roteiro/Dramaturgia: Mônica Longo, Guilherme Peixoto e Willian Sieverdt

Elenco: Mônica Longo e Guilherme Peixoto

Direção: Willian Sieverdt

Cenografia: Jaime Pinheiro

Mecanismos de Bonecos e Cenários: Paulo Nazareno

Sonoplastia e Trilha Sonora Original: Guilhermo Santiago e Paulo Zanni

Engenharia de Iluminação: Giba de Oliveira

Desenhos: Marcos Leal

Figurinos: Lenita Novaes

Escultura dos Bonecos: Mônica Longo

Confecção dos Bonecos: Mônica Longo e Guilherme Peixoto

Marcenaria: Edson Wessler

Operação de Luz: Cyro Delnero

Operação de Som: Luis Melo

Designer Gráfico: Leandro De Maman

Pintura de Estrutura Cênica: Luis Melo

Pintura de Bonecos: Luis Carlos Vigarani

Pintura de Cenários: Guilherme Peixoto e Mônica Longo

Costureira: Eunice Alves Cardoso

Preparação de Atores: Ângela Finardi

Consultoria de Pesquisa: Mônica Cristina Corrêa

Pesquisa, Produção e Realização: Cia Mútua



Clipe no Youtube



http://www.youtube.com/watch?v=dUD7FTzE-rM





Serviço



Espetáculo de Teatro de Animação "Um Príncipe Chamado Exupéry"

Data: 10 de março, às 21 horas

Local: Teatro SESC-Prainha, em Florianópolis

Entrada Franca

Duração: 50 minutos

Classificação etária: 10 anos

Lotação Máxima: 50 pessoas.





Contato



Cia Mútua




(47) 3344-0409 / 9983-6678 / 9657-3847

  • ciamutua@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…