Pular para o conteúdo principal

CARE BRASIL




A CARE Brasil é uma ONG brasileira, com título de OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), equipe e conselho brasileiros que integra a CARE Internacional, uma federação de 12 países-membros (Alemanha, Austrália, Áustria, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, França, Holanda, Japão, Noruega, Reino Unido e Tailândia), com sede em Genebra e atuação no combate à pobreza em 70 países.

A CARE Brasil iniciou suas operações em agosto de 2001 com a missão de combater a pobreza enfrentando suas causas estruturais em regiões rurais e urbanas brasileiras de baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Trabalha com foco no desenvolvimento local e sustentável das comunidades e territórios onde atua, por meio de ações de inclusão social; fortalecimento da economia local; preservação do meio ambiente; inovação na gestão pública; e mobilização social.

A capacitação e a educação são elementos-chave com os quais a CARE Brasil trabalha, na busca do desenvolvimento local. A CARE Brasil atua como um agente catalisador e facilitador de processos de desenvolvimento em que os objetivos são capacitar, envolver, gerar e aumentar a autonomia das pessoas e das comunidades na construção do seu futuro e do seu acesso a direitos civis e humanos.

Nesse processo, a capacitação, o acompanhamento das atividades e o monitoramento de todos os programas são feitos por várias instâncias da organização, com regularidade.

Territórios de atuação

No Brasil, a CARE está presente em oito Estados, atuando com projetos em cinco áreas rurais do Norte, Nordeste e Centro Oeste (Acre, Bahia, Goiás, Maranhão, Piauí e Tocantins); e na periferia das duas maiores metrópoles do país: Rio de Janeiro e São Paulo. Além disso, presta ajuda humanitária em desastres e implementa projetos de reconstrução, adaptação e prevenção às mudanças climáticas em quatro municípios do Rio de Janeiro: São Gonçalo (região da baixada fluminense), Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis (região serrana).

As ações promovidas pela CARE Brasil utilizam tecnologias sociais para fortalecer as comunidades, possibilitando o desenvolvimento das localidades onde estão inseridas. A comunidade e parceiros da sociedade civil locais fazem parte da definição dos programas e da construção de práticas sustentáveis de geração de trabalho e renda.

A CARE Brasil possui escritórios locais nos territórios onde atua e técnicos da região que compreendem a realidade local, seus costumes e representações simbólicas. Além de potencializar as capacidades de comunicação e interação, torna-se possível realizar diagnósticos mais precisos e ágeis.

Planejamento, monitoramento e avaliação

A equipe de Gerência de Programas da CARE Brasil realiza, pelo menos, dois encontros ao ano por programa com as equipes em campo. Essas reuniões têm como objetivo a construção ou revisão do Marco Lógico do projeto, bem como a construção de uma árvore de objetivos para cada programa.

A equipe gerencial auxilia as equipes de programas na elaboração de linhas de base, instrumentos de avaliação e na análise e solução de problemas e conflitos. Além disso, há um processo de acompanhamento virtual dos planos de ação de cada programa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…