Pular para o conteúdo principal

Existem 60 bilhões de planetas habitáveis na Via Láctea.




Acha mesmo que estamos sozinhos no universo? Um recém-concluído estudo, publicado na revista científica “Astrophysical Journal Letters”, aponta que talvez existam nada mais nada menos do que 60 bilhões de planetas habitáveis orbitando estrelas anãs vermelhas em toda a Via Láctea.
Anteriormente, acreditava-se que da chamada zona habitável dessas estrelas possuía metade de planetas em condições de abrigar vida. Para efeitos de comparação, é como se, para cada ser humano que habita nossa Terra, houvesse 8,5 planetas potencialmente habitáveis soltos por aí.
O motivo para essa atualização do cálculo foi a reavaliação feita pela equipe de cientistas dos limites das zonas habitáveis em torno das anãs vermelhas. Esses estrelas são menores e mais fracas do que o sol e possuem temperaturas relativamente baixas na sua superfície.
Com base em simulações do comportamento das nuvens sobre os planetas extrassolares, anteriormente ignoradas nos cálculos, a equipe de astrofísicos descobriu novos parâmetros para a definição dos limites de uma zona habitável em torno das já mencionadas estrelas anãs vermelhas.
A equação para o cálculo da zona habitável de planetas alienígenas mantém-se a mesma há décadas. No entanto, essa fórmula não levava em consideração as nuvens, que exercem uma grande influência climática.
O pesquisador Dorian Abbot, da Universidade de Chicago (EUA), explica como o comportamento das nuvens acaba expandindo consideravelmente o tamanho dessas zonas. “As nuvens causam tanto aquecimento quanto resfriamento na Terra. Elas refletem a luz solar para esfriar o ambiente e absorvem a radiação infravermelha da superfície para esquentá-lo por meio do efeito estufa”. Abbot conclui: “Esse esquema é parte do que mantém o planeta quente o suficiente para abrigar vida”.
Trocando em miúdos, em vez de haver, em média, um planeta do tamanho da Terra na zona habitável de cada estrela anã vermelha, na realidade existem aproximadamente dois. Fazendo as contas, isso significa que existem cerca de 60 bilhões de planetas habitáveis que orbitam anãs vermelhas na Via Láctea.
Você pode estar se perguntando: “Como podem essas estrelas anãs vermelhas, relativamente pequenas e fracas, serem orbitadas por dois planetas habitáveis, sendo que o sol, maior e mais forte do que elas, só é orbitado pela Terra?”. A diferença é que o nosso planeta demora um ano inteiro para dar a volta no sol, como vocês bem lembram das aulas de Geografia. No caso desses planetas, o tempo é bem mais curto.
“Um planeta que orbita em torno de uma estrela anã deve completar a volta uma vez por mês ou uma vez a cada dois meses, aproximadamente, para receber a mesma quantidade de luz solar que nós recebemos do sol”, esclarece um dos autores do estudo, Nicolas Cowan, do Centro Interdisciplinar de Exploração e Pesquisa em Astrofísica da Universidade do Noroeste dos Estados Unidos.
Planetas de órbitas tão curtas acabariam por se tornar presos ao seu sol devido à gravidade. Outro detalhe é que esses planetas manteriam sempre o mesmo lado voltado para o sol, como a lua faz em direção à Terra. Nesse locais, o sol ficaria sempre a pino, como se fosse eternamente meio-dia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FOTOMONTAGEM FLORIANÓPOLIS FRIA NO INVERNO...

FLORIANÓPOLIS TÁ FRIA...

Preciso me esquentar logo e como diz a Marilyn Monroe "Ter uma carreira é maravilhoso, mas ela não pode te aquecer numa noite fria." ... enfim ai que frio GOSTOSO.
SÓ QUE SOZINHO, AI AI...

FESTIVAL PALCO GIRATÓRIO.

O Festival Palco Giratório Sesc traz a Florianópolis 30 dias de programação intensa e gratuita, com apresentações de teatro, dança, circo, intervenções urbanas, oficinas e arte. Confira a agenda completa e aproveite: www.sesc-sc.com.br/palcogiratorio

ACONTECENDO AGORA!

    :A LUVA E A PEDRA
Espetáculo em repertório desde 2013 Concepção: A Luva e a Pedra é um texto de Quiqué Fernadez, autor e ator Argentino radicado em Madrid. O grupo entrou em contato com o autor e com sua montagem do referido espetáculo em 2011, quando participou do Festival CASA, em Londres. O interesse do grupo sobre o texto surgiu principalmente por se tratar de um trabalho que exigia técnica e fisicamente o trabalho de ator. O diretor e ator da montagem do Teatro em Trâmite, André Francisco, procurava um texto vigoroso e ao mesmo tempo capaz de provocar um trabalho técnico detalhado de interpretação naturalista – proposta expressa na pesquisa que o grupo realizava em 2013. A Luva e a Pedra se distinguia porque propõe a interpretação pelo ator do monólogo de alguns personagens, proposta que diversificava o trabalho do ator em uso do corpo e da voz. Apesar de permitir o acesso às técnicas do teatro naturalista de Stanislávski, o texto provocava uma abertura do leq…